E-commerce: quem são os grandes vencedores da guerra?

O site Entrepreneur publicou recentemente um artigo, assinado por George Deeb, sobre o estado atual do e-commerce. Embora centrado na realidade dos Estados Unidos, sua perspectiva é bastante clara e pode ser adaptada para qualquer outro mercado, principalmente no Brasil. A internet é um campo de batalha bem diferente do que era há 10 ou 20 anos.

Deeb questiona quem está verdadeiramente lucrando com o e-commerce na atualidade. Sua resposta: Google, Amazon e Facebook, os gigantes da net.

O problema da multidão

O raciocío de Deeb é bem simples. O e-commerce vem crescendo sempre nos últimos 10 a 20 anos, sem dúvida que com mais intensidade nesta última década. Os efeitos são até maiores nos Estados Unidos, onde cadeias inteiras de lojas já encerraram por não conseguirem se adaptar aos novos tempos. O cliente não tem qualquer problema em comprar através da internet; e mesmo quando precisa ir pessoalmente na loja, muita vezes já fez também sua pesquisa inicial online.

No início, conseguir lucro no e-commerce era fácil. Havia poucos competidores nesse meio. Deeb dá sua própria experiência pessoal: ele manteve um site com loja online em 2000, e nesse tempo muito poucas pessoas conheciam o Google e menos ainda faziam publicidade nele. Como o número de usuários fazendo pesquisas estava crescendo, o sucesso era fácil e a fatura de publicidade do Google era pequena. Bem mais pequena que o necessário para abrir uma loja na rua mais cara da cidade, ou que um comercial na TV.

E hoje? A internet está madura e o e-commerce também. Milhares ou milhões de lojas estão competindo por sua atenção. Pegar um resultado na primeira página do Google é agora mais difícil e mais caro. O mesmo acontece, no mercado americano, para conseguir estar visível no Facebook e na Amazon.

Enquanto as lojas gastam seus dólares para conseguir uma venda, estas três empresas seguem com lucros gigantes e são elas, na visão de Deeb, as grandes vencedoras.